A história fabulosa dos cogumelos medicinais

Joaquim A | 17 janeiro 2022
Tempo de leitura : aproximadamente 4 minutos
A história fabulosa dos cogumelos medicinais
Conteúdos

    Quem se preocupava com os cogumelos até à viragem do século? Havia apenas algumas lendas urbanas que se dignavam a mencioná-las, mas na maioria das vezes em termos menos do que brilhantes.

    Cogumelos, um uso recreativo


    Há quanto tempo é que os seres humanos utilizam cogumelos pelas suas propriedades medicinais? Por volta de 7000 AC, a pré-história testemunha algumas situações estranhas. O agárico de mosca (Amanita muscaria), um cogumelo característico com uma tampa vermelha salpicada de escamas brancas, foi utilizado para fins religiosos e recreativos. É utilizado em rituais xamânicos pelos seus efeitos alucinógenos.

    Mais tarde, o uso de cogumelos parece ser mais frequente e mais elaborado. Otzi, um guerreiro pré-histórico que foi acidentalmente enterrado e congelado, é o melhor exemplo. De facto, caro leitor naturopata, regra número 1, não vá caminhar sozinho nas montanhas nevadas do maciço de Otzal na Áustria. Carregou consigo cogumelos capazes de curar uma ferida de guerra.

    O cogumelo, entre crenças e superstições


    Na mitologia da Grécia Antiga (900 AC - 400 AC), os cogumelos simbolizam magia, divindade e imortalidade porque aparecem do nada, do solo ou da casca das árvores. Algumas pessoas acreditam mesmo que os cogumelos têm poderes sobrenaturais porque podem ser usados para alimentar, curar, acender fogos e envenenar os inimigos. Tal como a mão dos Deuses, são uma fonte inesgotável de alimento em tempos de fome, ou, pelo contrário, um fruto tóxico que representa a raiva divina.

    Estranha emoção colectiva então... O que é que ia acontecer?

    O cogumelo, um mistério revelado


    Desde a Antiguidade (3300 AC - 476), muitas personalidades como Eurípedes, Hipócrates e Theophrastus realizaram estudos científicos para desvendar o mistério dos cogumelos. A toxicidade e o ciclo de vida dos fungos são estudados com grande atenção. Pliny the Elder e Dioscorides propôs então descrever todas as espécies de fungos a fim de melhor os reconhecer: este foi o início da primeira classificação dos fungos.

    Em qualquer caso, a abordagem científica esgotou-se e declinou a partir da Idade Média (476 - 987). Há o exemplo dos "círculos de bruxas" ou "círculos de fadas" que são as pegadas deixadas pelos elfos que vieram dançar em círculo.

    Os cogumelos, uma ciência do futuro


    Fora do círculo confidencial de certas pessoas privilegiadas, não foi até à grande efervescência intelectual da Renascença que se observou um renascimento do interesse e uma difusão maciça das descobertas científicas graças à imprensa. Este foi apenas o início de um grande avanço no conhecimento dos fungos com o trabalho "Rariorum plantarum historia: Fungorum in Pannoniis observatorum brevia historia" de Charles de l'Ecluse, "Theatrum Fungorum Of Het Tooneel Der Campernoelien" de F. van Sterbeek e, sobretudo, o essencial "Synopsis Methodica Fungorum" e "Systema Mycologicum" de C.H. Persoon e E.M. Fries.

    Posteriormente, as descobertas científicas foram numerosas, mesmo que tenham ocorrido por acaso. O exemplo mais conhecido é a descoberta do primeiro antibiótico, a penicilina, pelo inglês Alexander Fleming. No seu regresso de férias, reparou que se tinha esquecido de deitar fora o caixote do lixo que estava cheio de lixo. Ficou surpreendido ao descobrir um fungo capaz de matar bactérias no caixote do lixo. Ele pensou em usar esta virtude excepcional para combater as bactérias responsáveis por muitas doenças humanas. Esta descoberta e aplicação salvou milhares de vidas humanas de uma infecção fatal, especialmente durante a Segunda Guerra Mundial com os feridos de guerra.

    Publicado em 17 janeiro 2022 à 23:39
    Actualizado em 10 março 2022 a 10:46

    Os comentários

    Poderá estar interessado em

    Joaquim A

    Joaquim A

    Editor Web

    Eu sou Joaquim, um grande amante da natureza. Formei-me como farmacêutico, período durante o qual adquiri uma certa quantidade de conhecimentos. É agora tempo de utilizar este conhecimento partilhando-o com o maior número de pessoas possível.